A vida não é controlável

É… Acho que a maioria de nós (na verdade, alguns), provavelmente entendam bem.

A vida não é controlável… E sim, confesso que particularmente gostaria muitíssimo de ter controle sobre cada pedacinho da minha. Seja com relação ao tempo, às pessoas; seja ou fosse com relação aos sentimentos e/ou acontecimentos.

Entretanto, não é assim e acho que jamais será.

Desta maneira, ao me deparar com este pequeno curta, não pude deixar de compartilhar os ensinamentos que ele nos propôs/propõe.

Dechen é um pequeno monge budista tibetano, extremamente apaixonado por jardinagem.

Consequentemente, resolve plantar uma flor e dedicar seu tempo e esforço para que ela cresça e floresça.

Contudo, pareceu lhe um pouco inaceitável que mediante tanta devoção, uma chuva e uma grande ventania a colocassem em perigo.

Como assim???

Dechen não se deu por vencido; e acreditando que haveria outra maneira de mantê-la viva, resolveu removê-la do seu lugar original, a levou para dentro do templo e a colocou em um vaso…

… Mas a pequena flor não se desenvolveu; pelo contrário, pareceu perder todas as suas forças, fazendo com que Dechen se decepcionasse e entristecesse.

Infelizmente, os cuidados que ele a ofertou, não foram suficientes para o seu desenvolvimento e a planta não correspondeu ao seu empenho.

Então, o monge principal Angmo resolveu intervir e explicou-lhe que a vida não é controlável; menos ainda as suas ações… Fez com que ele começasse a compreender que deveria deixar os acontecimentos fluírem sem intervenções, de maneira que a flor pudesse renascer por si só.

Lamentavelmente, o curta não deixa claro se a flor a que ele demonstrou tanto afeto sobreviveu…

… Todavia…

No final, ele conseguiu enxergar mais que uma única flor… Do lado de fora do templo, existia um lindo e imenso jardim, com inúmeras outras flores… Como aquela!!!

Assim é a vida…

Às vezes desejamos tanto uma coisa, ou tanto que algo aconteça que esquecemos de olhar ao nosso redor, ou simplesmente deixar a vida acontecer.

… É difícil… Muito, mas o que fazer?!

Que possamos ser como o Dechen e que alguém, talvez o cara lá de cima, possa nos trazer um pouco de conforto, enquanto não encontramos o lugar ideal para cada um de nós.

Obs: Se tiverem a oportunidade de ouvir o vídeo também, além de apenas vê-lo, poderão ouvir uma daquelas canções tibetanas capazes de acalmar qualquer coração. 😉

CintiaOlimpio

CintiaOlimpio

Eu sou uma misturinha de tudo...
Loucura, sensatez, bagunça e lucidez...
Tem um pouco de mim aqui... Outro tanto acolá e muito espalhado por aí.
Sou uma mistura de sol, vento, brisa e mar...
Vezes calmaria e outras ventania... Menina.
Apaixonada pelas palavras, pelos sorrisos alheios, por mãos e por costas... Por mentes brilhantes também.
Devoradora de livros e um tanto desequilibrada quando se trata de natureza, esportes radicais e liberdade.
Escolhi os números como profissão, mas tenho descoberto que posso ser bem mais do que isto... Posso me tornar o que eu quiser... E provavelmente, me tornarei um tanto de outras coisas!!!
CintiaOlimpio

Últimos posts por CintiaOlimpio (exibir todos)

Deixe uma resposta