Eu sempre soube que não era você

Juro.

Pode perguntar à minha melhor amiga.

Sério.

Falei a ela na primeira vez que falamos sobre você; mas… Não dei importância aos meus sentidos.

 … Desejei que fosse… Não me pergunte o por que… Não sei dizer.

Sentimentos são demasiadamente confusos… Muitas vezes.

… Logo eu… Tão racional.

Sim… Desejei-lhe… E você sabe… 

Mesmo sabendo que era errado… Que não era adequado… Que tudo isto, era uma loucura… E que não tinha o menor cabimento.

Mas o que é a vida se não uma loucura?!

Eu não sou perfeita… Nem quero ser… Tenho pavor a pessoas assim.

Quero viver… Cometer erros; mas fazer com que algo dentro de mim peque, se arrependa e seja feliz por viver aquele momento.

Cogitei a ideia de que perder o  juízo de vez quando, talvez não fosse de todo ruim. 

Queria perdê-lo ao menos uma vez… Queria perdê-lo com você… Perder-me em você…

Queria poder rir e talvez, até chorar depois… Mas queria ter do que lembrar e contar… A mim mesma.

Eu sempre soube que não era você…

Mas me permiti deixar levar, mesmo sabendo que se um dia ele chegasse, eu saberia… De alguma maneira, eu saberia… Mas sabia que você não o era.

Ainda sim, adorava tê-lo por perto… Eu lhe disse isso… Nem sei o porque… Só sei que era assim… E que era recíproco.

Você me fazia bem… Fazia-me rir… Sorrir… Deu cores ao meu mundo, durante algum tempo, enquanto esteve aqui… Mesmo eu já tendo um arco íris em mim.

Deixou tudo de cabeça para baixo… E fora do lugar… Bagunçado… Enquanto eu tentava arrumar e manter tudo em ordem.

Éramos feito cão e gato… E nunca entenderemos o por quê… Éramos assim… Eu e você.

E ao mesmo tempo, adorávamos a companhia um do outro… Adorávamos.

Esta palavra remeteu-me ao passado… Passou.

Queria que não tivesse passado… Mas, afinal… O que a gente queria…?!

Aonde a gente chegaria…?!

Eu não poderia levar isto por muito tempo… Não conseguiria carregar o que quer que fosse por nós dois.

Nós dois, não existíamos… A gente, nunca existiu.

Não desta forma… Mas a gente quis… Sim… Ambos quisemos.

Você quis me consertar… Ou me piorar de vez… Queria que tivesse feito quaisquer das duas coisas… Ou nenhuma.

Sabia que e o que você queria… Mas não o que eu queria.

Eu sei… Tornei-me suas coisas… Desejou que eu pertencesse a você…

Otária eu, não?!

… Eu quis pertencer a você… Hoje, ontem… A vida inteira.

Mas eu não posso… Eu não poderia… Porque eu sempre soube que não era você.

Chegamos ao fim… Por causa de meia dúzia de palavras, escritas no momento em que eu não deveria.

É… Eu realmente não tinha e não tenho mais o que falar diante de tanta hipocrisia.

… Foi melhor assim.

Chegamos ao fim… Por eu apenas ter repetido tudo o que me lembro de ter lido… Ouvido… “Mensagens deste tipo…”. 

… Palavras suas, nada além disso.  

Na verdade… Não sei ao certo se havia algo para acabar… Talvez nem tenhamos chegado há.

Eu não poderia chegar a lugar algum com alguém que não assume o que diz… O que faz… E se exime da culpa.

Fácil não é…?!

Gostaria apenas que não tivesse sido tão covarde… E tão ridículo.

Pior, eu também fui ridícula. Baixei a guarda. Tornei-me uma criatura patética. Fiquei tão… Cega, que comecei a achar que você era a pica das galáxias. Perdi-me.

… Aí, felizmente me encontrei no mesmo ambiente que você; e tinha tanto blá blá blá, tanta conversinha fiada, a situação era tão adversa… Que me perguntei ainda sem entender, como tive a capacidade de dar lhe tanta importância, gastar tanta energia e perder tanto do tempo.

Recordei-me do amor próprio que perdi… E de todas as coisas às quais tentaram me lembrar o tempo todo de que eu ainda era… Coisas às quais eu tive que voltar a me convencer… Porque eu ainda sou tudo isto… Sim, e eu já existia antes de você.

Não tive como não gargalhar de mim mesma e do quanto fui e fiz papel de idiota.    

Eu sempre soube que não era você… Porque quando ele chegar, ele não mentira para ele mesmo e nem fará promessas que não irá cumprir.

E ainda que se vá, eu saberei que era ele, porque ficarei com a lembrança de alguém, que era quem dizia ser.

E este… Não era e nem poderia ser você… Eu sempre soube!

E agora… Você também sabe… Nós dois, ou melhor… Você e eu, sabemos.

(escrito em 12/2015).
CintiaOlimpio

CintiaOlimpio

Eu sou uma misturinha de tudo...
Loucura, sensatez, bagunça e lucidez...
Tem um pouco de mim aqui... Outro tanto acolá e muito espalhado por aí.
Sou uma mistura de sol, vento, brisa e mar...
Vezes calmaria e outras ventania... Menina.
Apaixonada pelas palavras, pelos sorrisos alheios, por mãos e por costas... Por mentes brilhantes também.
Devoradora de livros e um tanto desequilibrada quando se trata de natureza, esportes radicais e liberdade.
Escolhi os números como profissão, mas tenho descoberto que posso ser bem mais do que isto... Posso me tornar o que eu quiser... E provavelmente, me tornarei um tanto de outras coisas!!!
CintiaOlimpio

Últimos posts por CintiaOlimpio (exibir todos)

Deixe uma resposta