Texto sobre a vida…

Este texto é sobre a vida… Sobre a sua; sobre a minha.

Não é algo que tenho o costume de fazer, mas tenho passado um tanto de coisas, vivido e visto outras e muitas delas, que após tanto tempo sem escrever, acho que não seria diferente.

A vida é uma caixinha de surpresas. Ponto. E as coisas mudam em um piscar de olhos…

No final do mês de abril ocorreu uma pane em família. De repente parece que a saúde de todo mundo entrou em colapso. De alguns, “graças a Deus”, foi apenas um susto… Entretanto, uma prima está extremamente frágil.

Sofreu um grave acidente de moto… Algumas partes do corpo dela se quebraram, outras se romperam e está na UTI.

Aconteceu em um sábado pela manhã e ela faria aniversário na segunda feira… Tinha feito planos para comemorar a data… E talvez tivesse feito planos para quando chegasse em casa, depois de uma noite exaustiva de trabalho.

Porra, que merda.

Me perdoem os que não gostam de palavrões ou achem que meninas não deveriam dizer este tipo de coisas ou se comportar assim… Que pena!!!

A verdade é que a vida é um sopro (uma das maiores verdades que já ouvi), uma merda e difícil pra caralho.

Confesso que tem horas que me sinto confusa e pergunto por quê?!

Por que tem que ser assim…?! Por que as coisas não podem simplesmente ser…?!

A verdade é que coisas ruins estão propensas há acontecer o tempo todo e elas fazem parte da vida… Do nosso aprendizado, das nossas lições e não há mágica que consiga mudar o rumo das coisas.

… Elas são como são e acontecem porque assim tem que ser.

Então me veem várias coisas à cabeça.

Os poucos (um ou dois) que me conhecem de verdade (no meu intimo), sabem que eu e a vida temos algumas rusgas.

Existir e ter que aprender a viver sempre me foi muito doloroso… Não sei dizer bem quando estes sentimentos começaram a tomar conta de mim, mas eles sempre davam (dão) um jeitinho de bater de uma maneira tão violenta a ponto de me machucar profundamente… E talvez doesse e/ou doa mais, ter tantas perguntas e não receber resposta alguma.

Até que um dia – em um passado recente -, acho que de tanto eu questionar, retrucar, debater, Deus chegou à conclusão de que estava na hora de me mostrar que lá no finzinho do túnel existia sim, uma luz… Ainda que fraca!

Enviou alguns anjos com a missão de me mostrar a vida de uma maneira diferente… Algumas respostas me foram dadas, mas tantas são as perguntas e me tornei tão insurgente, que apesar de não odiar mais a vida com a mesma intensidade, ainda teremos um longo caminho a percorrer juntas.

Entretanto, todos estes acontecimentos repentinos e o caminho que comecei a percorrer de alguma maneira, estão fazendo com que eu a enxergue diferente; principalmente após este acidente. Que indiretamente, tem muito a ver com todo o lance que envolve a “vida”.

Minha prima é uma pessoa muito batalhadora… Não lhe direi que é uma santa ou que deva ser colocada no altar porque a nossa convivência não é diária… Foi mais próxima na adolescência, mas de la para cá, muita coisa muito mudou. Mas é admirável como faz a parte dela e corre atrás dos prejuízos… Faz o que tem que ser feito e da melhor maneira possível; sem delongas.

Pagava suas contas, alimentava, educava e vestia sua filha; cuidava da casa e de seus pacientes com o carinho que se deve ter pela profissão escolhida, pelo próximo e gozava da vida com plenitude.

E agora…?!

Daqui alguns dias fará um mês em que está na UTI, entubada e de alguma maneira, momentaneamente, desfeita; provavelmente, lutando, sem saber, pela própria sobrevivência… Enquanto nós, de longe, só podemos rezar, emanar boas energias e torcer que para que em algum lugar, alguém acredite que ela mereça uma segunda chance. 

A meu respeito… Um lado pergunta por que alguém tão disposta a se doar à vida tem que passar por algo deste tipo, enquanto eu, que apesar de estar mudando (ou talvez a palavra correta seja melhorando) tenho que ficar aqui, sem fazer muita questão.

De todas as lições que estou tirando disto, uma delas é que cada um tem seu destino… Um caminho… E tem coisas que nós, infelizmente, não podemos mudar.

Mas de todas elas, a principal é que independente de qualquer coisa, e pelo que eu poderia ter me tornado pelas experiências ruins que tive, ainda no ventre de minha mãe, eu hoje, talvez, nem tivesse a oportunidade de lhes escrever… Estou aprendendo a ser grata e agradecer a Deus, não apenas pelos bons momentos que tenho, mas principalmente por ter todos os membros em condições físicas para alcança-los.

A questão é que ainda que tardiamente, tive que reaprender após muitos tropeços. Mas só o fato de poder me mover já é mais do que um motivo para eu agradecer… 😉

CintiaOlimpio

Eu sou uma misturinha de tudo...
Loucura, sensatez, bagunça e lucidez...
Tem um pouco de mim aqui... Outro tanto acolá e muito espalhado por aí.
Sou uma mistura de sol, vento, brisa e mar...
Vezes calmaria e outras ventania... Menina.
Apaixonada pelas palavras, pelos sorrisos alheios, por mãos e por costas... Por mentes brilhantes também.
Devoradora de livros e um tanto desequilibrada quando se trata de natureza, esportes radicais e liberdade.
Escolhi os números como profissão, mas tenho descoberto que posso ser bem mais do que isto... Posso me tornar o que eu quiser... E provavelmente, me tornarei um tanto de outras coisas!!!
CintiaOlimpio

Últimos posts por CintiaOlimpio (exibir todos)

Deixe uma resposta