Vidas Sem Rumo

E de repente, me vi apaixonada pelo Sodapop, Ponyboy, Johnny, Darry, Dally, Steve, Metido e com uma raiva imensa dos “socs”. Gostava mesmo dos “greasers”; tinha certeza disso. Só não sei se este gostar era pelo fato de eles serem rebeldes e levarem a vida da forma mais leve possível, mesmo diante de tantos porquês ou se era por pura compaixão.

E este lance de ser apaixonada por livros é assim; às vezes, perdemos a noção do que é real, e parece que passamos a fazer parte daquilo. Sofremos por eles e com eles, com finais bons ou ruins.

Entretanto, a pior parte será sempre aquela em que o livro chega ao fim.

Assisti a “Vidas sem Rumo“ se bem me recordo, antes mesmo dos meus quinze anos. Lembro-me de tê-lo visto algumas vezes; em todas elas, o sofrimento pelos garotos que tinham aproximadamente a mesma idade que a minha, ao menos na ficção, era o mesmo. Intenso.

Imaginava como era possível existirem pais como o do Johnny, que nunca se importavam se ele dormia em casa ou não e viviam a espancá-lo; imaginava, como ainda na fase de descobrimento, adolescência, poderíamos perder nossos pais e sofrermos tanto sem eles e termos a vida revirada de cabeça para baixo, da noite para o dia, como aconteceu com o Darry, Soda e Pony. Imaginava, como estes garotos tinham tão pouco, enquanto outros tinham tanto e não havia nada que pudesse ser feito, ou alguém que pudesse conduzi-los a um caminho e futuro melhor, como o Dally. Colocava-me o tempo todo no lugar e na pele de cada um deles… E em como isto é triste!!!

O livro foi publicado em 1967. A autora, também tinha 16 anos à época e tê-lo retratado mostrou um lado sobre adolescentes americanos que viviam metidos em brigas com suas gangues, envolvidos com bebidas, cigarros e vítimas de todo o tipo de violência que era desconhecido até então ou para o qual eram feitas vistas grossas.

Em 1983, Francis Ford Coppola resolveu transformá-lo em filme e mesmo ainda estando no meio do livro, acredito que seja a primeira vez em que um filme seja tão bom e tão parecido quanto um livro.

Confesso que a intenção era falar um pouco mais sobre está emocionante história, mas acho que já falei o suficiente, e melhor do que falar, seria vocês lerem o livro, assistirem ao filme ou como eu, fazerem os dois.

Época em que atores como Rob Lowe, Tom Cruise, Patrick Swayze (RIP), C. Thomas Howell, Matt Dillon, Ralp Macchio, Emilo Esteves eram meninos, sendo eles mesmos.

História linda… Comovente… Cativante. História de amizade, amor, companheirismo. História de lutas, vitórias e perdas.

Mergulhem de cabeça. Tenho certeza que valerá muito a pena!!!!

CintiaOlimpio

CintiaOlimpio

Eu sou uma misturinha de tudo...
Loucura, sensatez, bagunça e lucidez...
Tem um pouco de mim aqui... Outro tanto acolá e muito espalhado por aí.
Sou uma mistura de sol, vento, brisa e mar...
Vezes calmaria e outras ventania... Menina.
Apaixonada pelas palavras, pelos sorrisos alheios, por mãos e por costas... Por mentes brilhantes também.
Devoradora de livros e um tanto desequilibrada quando se trata de natureza, esportes radicais e liberdade.
Escolhi os números como profissão, mas tenho descoberto que posso ser bem mais do que isto... Posso me tornar o que eu quiser... E provavelmente, me tornarei um tanto de outras coisas!!!
CintiaOlimpio

Últimos posts por CintiaOlimpio (exibir todos)

Deixe uma resposta